brasil

Segundo jogo do Brasil na Copa do Mundo será em um estádio desmontável

O Estádio 974, onde acontecerá o segundo jogo do Brasil na Copa, desta vez contra a Suíça, na próxima segunda-feira (28), é assim chamado porque o número é o indicativo telefônico do Qatar e, também, porque foi construído com 974 contentores. Trata-se do primeiro estádio desmontável do mundo e estima-se que tenha custado mais de 300 milhões de euros.

Os contentores, fabricados pela China International Marine Containers, estão ligados por aço modular reciclado, que permite que seja desmontado após o Qatar 2022. No entanto, poderá ser convertido em infraestruturas variadas para os mais diferentes fins. Poderá, ainda, ser alugado e seguir para qualquer parte do mundo, onde poderá ser montado exatamente como está ou com ligeiras alterações.

Visto como imagem de sustentabilidade econômica e inovação, a infraestrutura permite uma economia de 40% de água e abdica do uso de ar condicionado, algo impensável nos outros sete estádios que acolhem o campeonato do Catar, onde as temperaturas superam os 30 graus e a humidade pode alcançar 65%. O projeto permite ventilação natural por meio de lacunas da estrutura e espaços entre os assentos, com brisas vindas do mar.

Órgão especializado em paisagismo trabalha para deixar São Luís cada vez mais arborizada

Com cinco equipes operacionais encarregadas dos serviços direcionados às áreas verdes, incluindo plantio, poda, roço e retirada de vegetações em caso de emergência, o Instituto Municipal da Paisagem Urbana (Impur) segue trabalhando para tornar São Luís uma cidade cada vez mais bonita, arborizada e sustentável. De janeiro a agosto deste ano, por exemplo, realizou 1.200 plantios e trans plantio de 15 exemplares. Além disso, fez 3.850 podas, 130 supressões e 37 remoções.

“Nós também realizamos serviços gerais de manutenção em 208 praças nesse mesmo intervalo de tempo, bem como roço e limpeza em 218.816 mil metros quadrados, incluindo canteiros e rotatórias”, informou Walber Filho, presidente do Impur.

Segundo ele, desde 2021, já na gestão do prefeito Eduardo Braide, a meta é obter maior celeridade na execução das atividades. Com a transferência da sede para a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (SEMOSP), o trabalho passou a ser alinhado às intervenções civis com propósitos e ações que visam à melhoria do paisagismo na capital.

“Atualmente, estamos executando um projeto paisagístico na rotatória do Caolho, na Avenida dos Holandeses, dentro do programa ‘Trânsito Livre’. Os canteiros serão requalificados por meio de áreas permeáveis compostas por forrações e espécies arbustivas, proporcionando o embelezamento e revitalização do local”, detalhou.

 

Plantio

Conforme o presidente, algumas avenidas de São Luís, com corredores primários e que apresentam alto tráfego de automóveis e circulação de pedestres, precisam de plantio de novas árvores e manutenção constante da vegetação existente. É o caso da Avenida dos Franceses, São Luís Rei de França, Daniel de La Touche, Jerônimo de Albuquerque, Presidente Médici, Vitorino Freire, Euclides Figueiredo, Colares Moreira e Holandeses.

Ele informou, também, que o órgão tem grande interesse em firmar parcerias com a iniciativa privada e que, atualmente, isso é feito por meio de um termo de cooperação prévio entre o órgão municipal e a empresa, a qual apresenta o projeto paisagístico que pretende realizar.

“Posteriormente, esse projeto passa por uma análise do corpo técnico capacitado, que sugere adequações e decide a viabilidade dessa intervenção. O convênio apresenta ao setor privado as vantagens de se investir no paisagismo de espaços públicos livres, como rotatórias, canteiros centrais e praças por meio da valorização e embelezamento do entorno, bem como pela utilização do espaço para publicidade da empresa com sinalizações adequadas e padronizadas”, explicou.

Além das ações em associação com empresas, o órgão busca ampliar parcerias entre a comunidade e seus comitês gestores localizados no entorno de praças. Com isto, quer envolver a comunidade na fiscalização, cuidado e manutenção de áreas públicas. Dessa forma, os moradores dos bairros ocuparão os espaços gerando um sentimento de pertencimento e evitando depredação e vandalismo.

“O órgão está de portas abertas para a comunidade como um meio de diálogo entre o poder público e seus representantes, possibilitando maior agilidade no processo de solicitação e diminuindo o tempo de atendimento da demanda solicitada”, disse.

O Impur foi criado em 2012 e tem a função de planejar, operar e manter as áreas verdes públicas do município localizadas em ruas e avenidas, praças e parques, espaços abertos, ao redor de instituições públicas e privadas, bem como áreas livres de lotes.

 

A sede física fica na Avenida Santos Dumont, 2000, no bairro São Cristóvão.

As solicitações podem ser feitas presencialmente ou pelo email impurma@gmail.com ou pelo telefone 9186.6892.

Com trabalho exemplar no Ministério do Desenvolvimento Regional, maranhense trabalha para universalizar acesso aos serviços de saneamento básico no Brasil

Atual secretário nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, o maranhense Pedro Maranhão tem realizado um trabalho centrado e focado visando à universalização do acesso aos serviços de saneamento básico no Brasil. Economista, empresário e gestor de projetos de infraestrutura, ele atua desde a década de 80 em órgãos da administração pública, ocupando cargos de relevância como ministro interino, secretário de Estado da Casa Civil, chefe de Gabinete, diretor superintendente, secretário executivo, coordenador de projetos e membro de diversos Conselhos.

No âmbito do setor privado, sobressaiu-se em atividades nas áreas de energia, agroindústria e reflorestamento, sempre exercendo o papel de gestor e formulador de novos negócios. À frente do órgão nacional, tem contribuindo com sua expertise para dinamizar o setor. Entre 2019 e 2022, por exemplo, foram investidos pela Secretaria Nacional de Saneamento mais de R$ 9,3 bilhões em ações nas suas quatro componentes, além de investimentos em estudos e projetos e desenvolvimento institucional, beneficiando mais de 700 municípios, com destaque para esgotamento sanitário (R$ 4,2 bilhões) e abastecimento de água (R$ 2,7 bilhões).

No mesmo período, a Secretaria aprovou o total de 38 projetos de captação no mercado financeiro por meio de debêntures incentivadas (títulos de crédito) para o setor de saneamento, totalizando R$ 10,3 bilhões e a previsão de R$ 17,5 bilhões em investimentos. Destes R$ 10,3 bilhões aprovados, R$ 7,04 já foram captados no mercado. Paralelamente, promoveu ações e eventos visando à regionalização dos serviços de manejo de resíduos sólidos e o encerramento de lixões. Como resultado decorrente dessas ações, destacam-se o encerramento do lixão que atendia ao município de Itacaré, na Bahia, entre outros.

Em entrevista exclusiva ao site da Granorte, Pedro Maranhão destacou o novo marco legal do saneamento básico que, segundo ele, modernizou o ambiente regulatório nacional, adicionando segurança jurídica e previsibilidade necessária à atração de investimentos privados significativos para o setor, de modo a estabelecer novas alternativas de financiamento e mecanismos para o alcance da universalização do acesso a esses serviços no Brasil, que, no caso dos componentes ‘abastecimento de água’ e ‘esgotamento sanitário’, consistem em atender pelo menos 99% e 90% da população, respectivamente, até 2033.

“Como resultados iniciais, cito os primeiros leilões realizados sob a influência da nova legislação, que garantiram investimentos em expansão e melhoria da infraestrutura e da operação da ordem de R$ 70 bilhões no setor, beneficiando uma população estimada em 19.660.221 habitantes, distribuída em 220 municípios”, frisa.

 

Maranhão

Ele informou que, conforme dados do Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento, o Maranhão apresenta alguns dos piores indicadores de saneamento quando comparado aos indicadores obtidos para os demais estados ou os indicadores nacionais. Em relação ao acesso aos serviços de saneamento, apenas 56,5% da população do estado é atendida com rede de água e 13,8% com rede de esgoto.

Esses percentuais observados para o Brasil foram 84,1% e 55,0%, respectivamente. Destacam-se, ainda, o índice de água não contabilizada ou perdida na distribuição de 59,1% e o índice de tratamento do esgoto gerado de apenas 13,6%. “Tais percentuais observados para o Brasil foram 40,1% e 50,8%, respectivamente. Nesse sentido, observa-se que o novo marco legal do saneamento traz novas esperanças para a melhoria e o alcance da universalização do acesso aos serviços de saneamento básico ao Maranhão”, pontua.

Para que o Maranhão avance nessa área, Pedro Maranhão afirmou que o primeiro passo foi dado com a aprovação da Lei Complementar 239/2021, que regionaliza em microrregiões de saneamento a prestação dos serviços de saneamento básico. “Restam os demais passos e a vontade política para estabelecer institucionalmente as estruturas regionalizadas de governança, de regulação e fiscalização da prestação dos serviços, a modelagem econômico-financeira adequada da prestação regionalizada no estado e a licitação das concessões”, diz.

Apesar dos entraves observados para a universalização dos serviços de saneamento básico, os avanços jurídicos, regulatórios e institucionais introduzidos pelo novo marco legal resultaram em um ambiente favorável à ampliação dos investimentos privados estruturantes no setor, de acordo com o maranhense. “O processo de superação do atraso existente no desenvolvimento do setor é complexo, entretanto, resultados importantes começam a ser observados no caminho em direção à universalização dos serviços públicos. Estes resultados devem ser comemorados”.

 

Modelo de políticas públicas

– Antes da aprovação do novo marco legal do saneamento, o modelo de políticas públicas adotado para o setor era predominantemente fundamentado na execução direta dos serviços pelos municípios ou por meio de delegação às companhias estaduais. Em tal modelo de prestação de serviços, com algumas exceções, não havia o estabelecimento de metas contratuais claras para o alcance da universalização do acesso aos serviços e de melhorias de eficiência operacional.

– Também não havia um marco regulatório eficiente na promoção da segurança jurídica e da estruturação dos arranjos institucionais necessários para o aporte de investimentos privados no setor. Tal situação em conjunto com a elevada dependência de recursos públicos para a realização dos investimentos necessários comprometeu a sustentabilidade econômico-financeira dos projetos da infraestrutura essenciais à universalização dos serviços assim como o desenvolvimento institucional em nível de regulação e fiscalização do setor.

– As ineficiências operacional, financeira, jurídica e institucional desse modelo resultaram nos déficits atuais de investimentos em expansão e operação. Com o objetivo de alterar esse cenário, foi aprovado o novo marco legal do saneamento básico (Lei 14.026/2020).

 

Novo marco legal

– O novo marco legal do saneamento básico modernizou o ambiente regulatório nacional, adicionando segurança jurídica e previsibilidade necessária à atração de investimentos privados significativos para o setor, de modo a estabelecer novas alternativas de financiamento e mecanismos para o alcance da universalização do acesso aos serviços de saneamento básico no Brasil, que no caso dos componentes abastecimento de água e esgotamento sanitário, consistem em atender pelo menos 99% e 90% da população, respectivamente, até 2033.

– Como resultados iniciais, destacam-se os primeiros leilões realizados sob a influência da nova legislação, que garantiram investimentos em expansão e melhoria da infraestrutura e da operação da ordem de R$ 70 bilhões no setor, beneficiando uma população estimada em 19.660.221 habitantes, distribuída em 220 municípios.

– O objetivo do novo marco legal do saneamento consiste exatamente em obter ganhos de escala a partir da modelagem por meio da formação de grupos de municípios que viabilizem, sob o ponto de vista econômico-financeiro, a universalização do acesso aos serviços de saneamento em municípios que não possuam capacidade individual para o alcance das metas, nos prazos estabelecidos

Elementos que remetem à natureza ganharão destaque em 2023

Faltando menos de 90 dias para o fim do ano, reformas, mudanças na decoração e até a compra de uma nova casa para melhorar o estilo de vida são projetos em evidência para 2023. A tendência é a utilização de muita pedra, madeira, materiais orgânicos e outros elementos que rementem à natureza. A ideia é, também, projetar espaços menos monótonos e que valorizem a luz.

Segundo a arquiteta maranhense Paula Azevedo, toda a linha orgânica está sendo levada para o lar, onde o consumidor pode se sentir mais confortável e ter mais aconchego, o que implica em mais saúde.

“Nós, seres humanos, temos a necessidade de estar em contato com a natureza. Na modernidade, com as construções urbanas e a grande demanda de trabalho, nos afastamos dela. Logo, uma forma de compensar é incorporar aos projetos elementos como pedras, lâminas de madeira e tudo aquilo que nos remeta à natureza e nos traga paz. A arquitetura consegue atingir esse objetivo. Não é apenas a questão de beleza ou estética. É muito mais do que isso”, diz Paula Azevedo.

Ao aliar estética e funcionalidade, as pedras naturais são parte integrante da decoração de casas, apartamentos e espaços comerciais, ajudando a trazer mais beleza, sofisticação e conforto aos espaços em que são instaladas.

As tendências ganham, cada vez mais, também, um toque de personalidade por meio de objetos e cores, ao contrário do minimalismo, moda que vai ficando para trás. As pessoas tendem a procurar conforto e ambientes mais acolhedores e menos estéreis e frios.

Segundo os especialistas, a harmonia é sempre positiva. As apostas são áreas de jantar e cozinhas integradas, salas integradas com a área externa aumentando a amplitude do ambiente, contribuindo também com uma melhor iluminação do imóvel e circulação de ar, bem como possibilitando uma maior relação com a natureza.

A escolha da cor para compor os ambientes também afeta diretamente a qualidade de vida das pessoas dentro de um ambiente. Estão em alta os tons terrosos, quais sejam, o bege, o marrom e o creme. Estas cores, além de remeter à natureza, contribuem para a sensação de acolhimento dentro dos espaços. Esses tons também garantem um efeito de amplitude e ficam excelentes com pontos de cores na tonalidade azul e verde.

Seguindo a ideia de fluidez nos espaços, equilíbrio e conforto, as formas arredondadas destacam as formas mais orgânicas. Inclusive, referências dos anos 60 e 70 têm sido destaque quando se fala em móveis em curvas.  Além disso, os materiais também têm papel importante, com destaque para tecidos que sejam agradáveis ao toque, como o linho.

A restrição de contato com o mundo externo intensificou o movimento de trazer a natureza para dentro de casa. Com isso, cada vez mais os espaços precisam ser projetados considerando essa incorporação. Sendo assim, o estilo Urban Jungle continuará em destaque em 2023, favorecendo, inclusive, o desenvolvimento espiritual e a melhoria da saúde mental.

Mercado imobiliário e da construção civil aquecido na região de Barreirinhas – MA

A alta procura por imóveis foi uma das consequências positivas da pandemia do novo coronavírus no município de Barreirinhas e áreas próximas, porta de entrada para a região dos Lençóis Maranhenses. É que, segundo empresários da região, o mercado imobiliário e o setor da construção civil naquele ponto do mapa estão em franca-expansão, com destaque para imóveis usados como segunda residência.  Essa expansão também é uma realidade em Santo Amaro.

O turismo interno também está sendo favorecido, devido à alta permanente do dólar, que tem atraído não somente turistas de outras regiões do Brasil como do próprio estado. Empresas do ramo têm se instalado nos últimos meses na região, a exemplo de usinas de concreto e de terraplanagem.

“Percebe-se que no pós-pandemia o maranhense passou a investir na segunda moradia estilo veraneio. Essa tendência, que já se verifica em vários outros estados, ganhou espaço nos últimos anos tornando os Lençóis a região mais desejada quando se pensa nesse tipo de projeto”, afirma o empresário Ricardo Batista Costa, da RBC Construções, que gerencia o Residencial Quinta das Águas, empreendimento de médio/alto padrão, e o Cidade Jardins, do programa Casa Verde Amarela.

O empresário Vinicius Mota, proprietário da VM Empreendimentos, que gerencia oito condomínios em Barreirinhas, Santo Amaro e Atins, além de cinco em obras, sendo dois a serem entregues nos próximos três meses, destaca que as famílias estão cada vez mais buscando um refúgio para confraternizar e, nesse sentido, os empreendimentos erguidos naquela região são projetados pensando-se em cada detalhe. “Tudo para proporcionar esses momentos agradáveis. Esse comportamento aumentou durante e, principalmente, depois da pandemia”, frisa.

Na opinião do empresário, a região tem um potencial gigante. “São belezas naturais que encantam. Eu costumo dizer que aquela área dos Lençóis Maranhenses, por exemplo, é um lugar tão lindo e especial que podemos sentir a presença de Deus. Uma das razões para muitos maranhenses e pessoas de outros estados buscarem um imóvel em Barreirinhas ou em outra área daquela região”, enfatiza Mota.

Vinícius afirma que a empresa segue trabalhando e gerando, aproximadamente, 300 empregos diretos e indiretos, contribuindo com o desenvolvimento social e urbanístico da região. “Trabalhamos em parceria com a Prefeitura de Barreirinhas em projetos que beneficiam diretamente a população local e, também, a de Atins”, afirma.

O empresário, no entanto, aponta um ponto fraco. “A falta de infraestrutura em toda a região. É preciso muito investimento nessa área para proporcionar, inclusive, um turismo de melhor qualidade”, diz ele, informando que a empresa está lançando dois condomínios em Barreirinhas, um em Santo Amaro e outro em Atins.

De acordo com o contador Afonso Câmara, que tem residência em Santo Amaro, para onde costuma ir aos fins de semana e feriados, é visível o progresso da região no que diz respeito à construção de novos imóveis, motivada sobremaneira pelo melhoramento do acesso à cidade após a construção da ponte.

“O setor hoteleiro também cresceu bastante. Quando eu estava construindo a minha casa, havia poucos hotéis e pousadas, assim como restaurantes. Agora, está tudo movimentado e a tendência é crescer. Os imóveis estão muito bem avaliados com esse boom”, contou Afonso Câmara.

Custo da construção desacelera e sobe 0,33%

 

No mês de agosto, o Índice Nacional de Custo da Construção-M (Incc-M) desacelerou em relação a julho e subiu 0,33%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre). Conforme a FGV, no mês anterior, o índice teve taxa de 1,16%. Com isso, o índice acumula alta de 8,80% no ano e 11,40% em 12 meses.

Já na comparação interanual, em agosto do ano passado o índice havia subido 0,56%, com alta de 17,05% acumulada em 12 meses.

Além disso, entre os componentes do índice, a taxa relativa a materiais, equipamentos e serviços passou de 0,60% em julho para 0,14% em agosto. Já a taxa correspondente a materiais e equipamentos variou 0,03% em agosto, após subir 0,62% no mês anterior.

Todos os subgrupos tiveram decréscimo, com destaque em materiais para estrutura, que passou de 0,63% para -0,08%.

Os serviços passaram de 0,49% em julho para 0,68% em agosto, puxados pelo avanço da refeição pronta no local de trabalho, que subiu de 0,29% para 1,54%.

Já a mão de obra variou 0,54% em agosto, após alta de 1,76% em julho, puxada pela taxa de ajudante especializado, que foi de 1,68% em julho para 0,62% em agosto.

Entre as capitais, todas as pesquisadas apresentaram desaceleração em suas taxas de variação na passagem de julho para agosto: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo. Tiveram variação negativa Belo Horizonte (-0,06%) e Porto Alegre (-0,08%).

Vale confirma acordo com Tesla para fornecimento de níquel para baterias

A vice-presidente executiva de Metais Básicos da Vale, Deshnee Naidoo, confirmou, recentemente, que a empresa assinou contrato de longo prazo com a Tesla Inc. para fornecimento de níquel Classe 1 nos Estados Unidos a partir de suas operações no Canadá.

“Nós temos o prazer de ter a Tesla, líder em produção de veículos elétricos, entre nossos clientes. Esse acordo reflete um compromisso compartilhado com sustentabilidade e mostra muito claramente que somos o fornecedor preferencial para produtos de níquel de baixa emissão de carbono e alta pureza, essenciais para baterias de longo alcance”, disse  Deshnee Naidoo.

O acordo está em linha com a estratégia da Vale de ampliar a exposição à indústria de veículos elétricos, alavancando sua baixa pegada de carbono e posição de liderança no mercado como maior produtor de níquel acabado da América do Norte. O objetivo é atingir de 30% a 40% das vendas de níquel Classe 1 para a indústria de veículos elétricos em rápido crescimento.

As operações da Vale no Canadá produzem alguns dos produtos de níquel de menor emissão de carbono do mundo. Em 2020, os rounds da refinaria de Long Harbour em Newfoundland & Labrador tiveram uma pegada de carbono verificada de 4,4 toneladas de CO2 equivalente por tonelada de níquel, enquanto as pelotas e pó da refinaria de níquel de Copper Cliff, em Ontário, tiveram uma pegada verificada de 7,3 toneladas equivalentes.

O diretor-presidente da Tesla, Elon Musk, está em campanha para verticalizar a cadeia logística da montadora, tendo controle de todos os aspectos da produção. A companhia já opera, em conjunto com a Panasonic, uma fábrica de baterias para carros elétricos no stado americano de Nevada.

As sanções dos países ocidentais contra a Rússia, que produz 17% do níquel mundial, metal essencial na fabricação das baterias, fez o preço da commodity disparar, desde o último dia 24 de fevereiro, data de início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Entrevista – “A Expo Indústria significa exatamente a força da retomada da economia maranhense”

“Precisamos pensar o Maranhão como política de Estado, para que os gestores deem continuidade às políticas públicas pensadas e articuladas entre os diversos atores sociais”. A afirmação é do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão, Edilson Baldez das Neves, que tem realizado um trabalho focado no fortalecimento de um ambiente de negócios salutar no estado. Nesta entrevista, além de falar sobre o momento atual, ele destaca as expectativas para a realização da Expo Indústria, a ser realizada de 26 a 29 de maio, no Multicenter Negócios e Eventos.

———————————————————————————————————————————————–

Quais os gargalos que a indústria maranhense enfrenta para deslanchar, apesar de todas as vantagens competitivas que o Maranhão possui?

Edilson Baldez – De imediato, as empresas maranhenses, de modo geral, precisam ser mais competitivas e sustentáveis no mercado, não somente no interno, mas no de outros estados do Brasil e do exterior. Quem gera emprego, também agrega valor aos seus produtos. Exportamos soja, milho, celulose e outros produtos sem maior agregação de valor.  Na hora que você agrega pouco valor, emprega menos, cria menos riquezas para o estado e para o país.

O que está sendo feito para mudar essa realidade?

Edilson Baldez – Nós, na Fiema, estamos estudando várias alternativas com o Grupo de Trabalho Pensar o Maranhão. Não podemos pensar no Maranhão como política de governo, focado em quatro ou oito anos. Precisamos pensar o Maranhão como política de Estado, para que os gestores deem continuidade às políticas públicas pensadas e articuladas entre os diversos atores sociais, numa visão de longo prazo. Exportar soja é bom, mas é também importante que se faça o esmagamento, que se exporte o óleo, o farelo e assim sucessivamente.

Que exemplos podem se dados?

Edilson Baldez – O Brasil faz muito isso, exporta muitas commodities. No caso do ferro, por exemplo, a gente exporta o minério de ferro e o ideal seria trabalhar e exportar a matéria pronta. Há também um deficit de qualificação da nossa mão de obra, a necessidade de profissionalização e alguns problemas de infraestrutura que estão sendo equacionados, aos poucos, pelo poder público.  Estamos saindo de uma pandemia. O momento é de retomada e a cada dia reforço que a parceria público-privada e a segurança jurídica são fatores determinantes para que o desenvolvimento de fato aconteça.

O que significa a realização da Expo Indústria Maranhão neste momento em que ainda estamos em endemia?

Edilson Baldez – A Expo Indústria significa exatamente a força da retomada da economia maranhense, na tentativa de superar a crise provocada pela pandemia que afetou a todos os empresários e negócios de todos os portes. Há empreendimentos já instalados aqui ou em processo de implantação, aumento da exportação pelas empresas maranhenses, polos industriais locais, como o de couro. O evento é um reflexo desse momento favorável. Estamos oferecendo oportunidades de negócios, de inovação, de acesso às informações mais atuais no ambiente empresarial, nas áreas de tecnologia, sustentabilidade, disrupção, de obtenção de crédito e de como firmar importantes parcerias comerciais internacionais.

Qual a projeção?

Edilson Baldez – Nossa projeção é a de gerar uma movimentação financeira no estado no valor de R$ 200 milhões. Nós teremos rodadas de negócios nacionais e internacionais que ocorrerão durante a Expo Indústria 2022, promovendo reuniões entre produtores locais e executivos de grandes empresas. Em resumo, a iniciativa do Sistema Fiema e CNI em conjunto com o Governo do Estado, o Sebrae-MA e a Fecomércio, e os mais importantes entes que atuam com o propósito de criar uma cultura de integração e articulação vai oferecer várias possibilidades para as empresas maranhenses melhorarem a performance e, consequentemente, sua produtividade e sustentabilidade.

De que forma o Sistema Fiema tem contribuído para o fomento e o fortalecimento de um ambiente de negócios salutar no Maranhão?

Edilson Baldez – A Expo Indústria é um dos eventos, realizados por nós, com objetivo claro de contribuir para a melhoria do ambiente de negócios no estado, por congregar vários aspectos: considerável abastecimento de informações atualizadas, trazidas pelos maiores especialistas do Brasil, em diversas áreas, e necessárias ao desenvolvimento da atividade empresarial, oportunidades de exposição de produtos e serviços, de linhas de crédito, de know-how para exportação e possíveis acordos a serem firmados com o exterior, entre tantas outras vantagens.  Além disso, precisamos retomar com todos os cuidados necessários, inciativas voltadas para o fortalecimento da atividade industrial, destacando a sustentabilidade empresarial. Destaco, porém, o relacionamento com o poder público como um dos pontos mais importantes nessa tarefa. O poder público tem a função primordial de promover desenvolvimento.

De que forma é estabelecido esse diálogo?

Edilson Baldez – Nós procuramos fazer com que o poder público entenda que, sozinho, não se faz tudo e nem se consegue todas as soluções para os problemas. O setor produtivo é um parceiro fundamental, estratégico, pois é quem emprega, quem gera renda e riqueza, para que o poder público possa se manter. Somos nós que pagamos impostos, que investimos e que aquecemos a economia. Hoje, temos feito uma série de ações em conjunto com o governo, que vão desde a elaboração de projetos, realização de eventos, discussões de temas de interesse mútuo e até de iniciativas que impactam em nossas atividades.

Qual o significado da Expo Indústria para as missões do Sistema FIEMA de desenvolvimento sustentável da indústria, articulação e integração empresarial?

Edilson Baldez – A Expo Indústria Maranhão reúne empresas expositoras, participantes, milhares de visitantes por dia. São números que vem sendo superados a cada edição. Além disso, é uma iniciativa de todas as entidades que integram o Sistema Fiema (Sesi, Senai, IEL e a própria Federação e a CNI), com o Governo do Estado, o Sebrae-MA e a Fecomércio, que atuam com o propósito de criar essa cultura de integração e articulação empresarial e, é claro, de desenvolvimento. Nossos patrocinadores são alguns dos mais importantes empreendimentos instalados no estado, que atuam com responsabilidade social, contribuindo com a geração de emprego e com o fomento de nossa economia.

O que significa realizar um evento como esse?

Edilson Baldez -Realizar um evento deste porte e que a cada edição ganha novas dimensões e atratividades é um enorme desafio, mas sobretudo uma demonstração de que a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão – e suas entidades, que atuam, juntos, em prol da profissionalização e da qualidade de vida do trabalhador maranhense – está cumprindo sua missão.  Esse ano serão quatro dias de evento e o que poderá ser visto pelos visitantes da Expo Indústria é uma indústria local em amplo processo de desenvolvimento e empresários integrados em seus propósitos e trabalhando o tema da sustentabilidade tanto no sentido econômico como no sentido ecológico.

Este ano, a Expo Indústria Maranhão contará com um tema discutido em todo o mundo: a sustentabilidade. Essa escolha é decorrente também da pandemia de Covid-19?

Edilson Baldez – Há dois anos, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) vem discutindo a sustentabilidade em eventos nacionais e internacionais, como a COP 26 e o Fórum Amazônia +21. Aliado a questão ambiental, tão importante e necessária, ainda mais com a pandemia, que levou diversas empresas à falência, é discutir a sustentabilidade financeira das empresas.

O setor industrial adota princípios da sustentabilidade, como ética, transparência e respeito à sociedade e ao meio ambiente, entendendo que investimentos em projetos ambientais geram ganhos econômicos e sociais e contribuem para a consolidação de uma economia de baixo carbono. A CNI e a FIEMA trabalham na mobilização do setor industrial e na articulação com o governo em todas as esferas. É necessário maior alinhamento das políticas ambientais com políticas tributárias, de infraestrutura e de inovação. Também são fundamentais normas que proporcionem maior segurança jurídica e estimulem o desenvolvimento de soluções inovadoras em produtos, processos e novos modelos de negócios. A indústria deseja cada vez mais, ser parte da solução no desenvolvimento sustentável do país, tendo como norte o Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Quais temáticas estão previstas na quarta edição da Expo Indústria Maranhão?

Edilson Baldez – Questões como bioeconomia, economia circular, energia renováveis, licenciamento ambiental, resíduos sólidos, sustentabilidade financeira fazem parte dos assuntos que vamos abordar na feira.  Eu sempre destaco que a Expo já é o maior evento multissetorial da indústria da Região Nordeste do Brasil e se justifica pela necessidade de mostrar a importância do setor produtivo maranhense, promovendo o intercâmbio de experiências entre indústrias nacionais e regionais, o setor produtivo e particularmente interagindo com a população, que nem sempre conhece a indústria local e seus produtos. Serão quatro dias de evento, em um ambiente inovador, visando impulsionar os negócios e a promoção de networking qualificado, fortalecendo o posicionamento de marcas, produtos e serviços. Chegamos à quarta edição da Expo Indústria com diversas atratividades, milhões de reais investidos e alto comprometimento na organização do evento.

Quais as contribuições da Expo Indústria?

Edilson Baldez – Promover a diversidade da indústria maranhense e seus fornecedores; fomentar a atividade industrial sustentável, criando um ambiente propício à oferta e procura de oportunidades de negócios levando soluções inovadoras e projetos tecnológicos aos participantes do evento; aumentar a rede de relacionamento; promover novas parcerias e estar em consonância com as principais necessidades dos empresários estão entre as contribuições da Expo para a economia do Estado. Além disso, destaco a contribuição para a melhoria da competitividade e sustentabilidade das empresas industriais, consequentemente do Maranhão, assim como a oferta de ferramentas inovadoras e adequadas para auxiliar a gestão das empresas industriais no Maranhão.

Granorte investe em energia limpa e incentiva o desenvolvimento sustentável

A busca por soluções sustentáveis, além de reduzir impactos ambientais, é uma estratégia usada pelas empresas para reduzir custos. Recentemente, a Granorte firmou parceria com a Smart Energia, consultoria independente especializada em gestão de energia elétrica e consolidada como uma das três maiores do Brasil.

A Smart apresentou a oportunidade de economia por meio da migração ao Mercado Livre, que é um ambiente de negociação onde consumidores de grande porte podem comprar energia diretamente de um gerador, ao invés de comprar da concessionária.

Segundo Davi Ferro Costa, da diretoria da Granorte, é uma ótima forma de alinhar sustentabilidade e desempenho financeiro. “Ao mesmo tempo em que reduzimos nosso impacto ambiental, economizamos em mais de 20% nos custos com energia, ou seja, R$ 33 mil por mês, quantia que pode ser utilizada para outras finalidades”, afirma.

Davi Ferro explica que, na mineração, o custo de energia é representativo. No caso da Granorte, são mais de 50 motores elétricos de diferentes potências em operação diariamente. “Logo, uma solução limpa como essa favorece nosso desempenho financeiro”, revela.

O diretor ressalta que é muito importante que os empresários busquem soluções sustentáveis para seus negócios, uma vez que o mundo ficará para as próximas gerações, assim como as empresas. “É importante deixar um cenário sustentável aos nossos filhos”, frisa.

Segurança energética

De acordo com Marcos Kussek, gerente comercial da Smart Energia, o aumento do uso de energia renovável contribui para uma maior segurança energética, devido ao número de fontes, diluindo os riscos provocados pelos períodos de falta de chuvas e, também, o aumento das tarifas, em função da elevação do preço dos combustíveis fósseis.

“Além disso, as energias renováveis oferecem a possibilidade de um desenvolvimento social e econômico sustentável para as regiões onde são implementadas as novas usinas. O uso de fontes alternativas é um fator que ajuda a mitigar as alterações climáticas provocadas pela emissão de CO2 na atmosfera”, ressalta.

Ele explica que, como no Mercado Livre o consumidor tem a liberdade de escolher seu fornecedor, tanto o preço quanto as condições comerciais também podem ser negociadas. Isso torna esse mercado muito mais competitivo do que o regulado, onde as tarifas são definidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Conforme Marcus Kussek, a empresa que deseja aderir ao Mercado Livre de Energia deve cumprir alguns pré-requisitos de acordo com a legislação atual, sendo um deles ter a demanda contratada mínima de 500 kW, o que equivale a uma fatura média superior a R$ 50 mil.

“Para o consumidor, a migração em si não dará trabalho, pois a Smart conduz o processo de ponta a ponta. Esse processo engloba desde a análise de viabilidade econômica da empresa em questão, passando pela adesão à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica até o suporte à adequação do Sistema de Medição e Faturamento”, explica.

Ganho para consumidores

De acordo com Marcus Kussek, o mercado livre oferece grandes oportunidades de ganho para os consumidores de todos os perfis, desde os mais conversadores até os arrojados. A migração possibilita um aumento de competitividade devido à redução de custos proporcionada, fazendo com que as empresas tenham mais caixa para investir no seu próprio negócio, seja com contratação de novos funcionários ou expandindo a operação.

“Apesar de ainda ser um mercado restrito a empresas de grande porte, a tendência é que, para os próximos anos, ocorra a abertura gradual do mercado, possibilitando que empresas com faturas menores também tenham a liberdade de escolher de quem desejam comprar, até que essa possibilidade chegue aos consumidores residenciais”, finaliza Kussek.

Rolar para cima