granorte

Demanda para o setor da construção civil tende a crescer em 2022

Após dois anos de pandemia, reformas, mudanças e construção devem ser intensificadas a partir de agora.

As perspectivas para o setor da construção civil em 2022 são as melhores possíveis. É que após quase dois anos enfrentando a pandemia, as pessoas estão buscando novas oportunidades e possibilidades, incluindo reformas, mudanças e construção. Com o público consumidor mais seguro em relação ao andamento dessas obras, é possível que a demanda dê um salto nos próximos meses.

Além disso, um ano eleitoral é fator positivo para o setor, uma vez que os gastos públicos com obras e melhorias na infraestrutura tendem a aumentar. “Frente à alta dos juros e de um cenário de incertezas na economia, a demanda por materiais e mão-de-obra para construção deve seguir crescendo”, analisa o consultor de negócios Ricardo André Carreira.

Mesmo durante os momentos mais críticos da pandemia de Covid-19, o setor da construção civil se manteve forte no Brasil. O setor cresceu 2,7% no segundo trimestre de 2021, mesmo com a economia nacional se mantendo em relativa estabilidade, conforme os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados em setembro. Para este ano, a expectativa é que o segmento se mantenha em alta, apesar da chance de recessão econômica.

Um aspecto que pode influenciar o crescimento do setor em 2022 são os investimentos represados. Durante a pandemia, muitas pessoas preferiram não entrar em grandes investimentos, que devem ser feitos a partir deste ano.

Papel – Na opinião de Ricardo Carreira, o mercado imobiliário residencial teve um papel importante para a manutenção do setor de construção civil nos últimos anos. “Analisando os dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), observa-se que as vendas de imóveis aumentaram 26,1% em 2020 e, no segundo trimestre de 2021, houve alta de 72,1% na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior”, frisou.

Ano passado, um segmento que se destacou foi o mercado imobiliário de luxo, que registrou um crescimento de 32% em relação a 2020, segundo a Abrainc. Esse foi o setor que menos sofreu com a pandemia e, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o número de lançamentos de imóveis de luxo foi de 60.322 unidades no segundo trimestre de 2021.

Diferentemente do mercado imobiliário residencial, a construção civil de indústrias e pontos de varejo não pára, mas se adapta de acordo com as demandas do momento. Em um momento de retração de diversos setores, é esperado que as lojas e fábricas pausem, ao menos temporariamente, os planos de expansão, ampliação e reformas, focando apenas nos reparos essenciais.

Para este ano, as previsões são de crescimento entre 5% e 10% diante de uma alta de 3% do PIB. Diante dos olhos dos especialistas, um dos maiores incentivos, inclusive em época de pandemia, é a viabilidade de crédito proporcionada pelo governo, que incentiva o mercado em taxas junto com os bancos. Neste cenário, sabemos que o mercado não terá crédito para sempre e talvez o crescimento se atenue um pouco.

Demanda para o setor da construção civil tende a crescer em 2022 Read More »

Auditor Eduardo Molena diz que que os selos de qualidade abrem portas, uma vez que o mercado passa a olhar a empresa com outros olhos

Certificações de qualidade ganham cada vez mais importância no mercado.

Ressaltar o compromisso da empresa com a qualidade de seus produtos, serviços e com o desenvolvimento profissional de seus colaboradores é o propósito do selo de qualidade, que passou a fazer a diferença aos olhos dos consumidores nos últimos anos. São diversos os tipos e cada um foca em determinada área de produção. Cada selo de controle possui normas e metodologias próprias para avaliação.

Segundo levantamento do Sistema B, a demanda por certificações aumentou 23% globalmente ano passado. Elas espalham-se por mais de 70 países e atuam em diversas frentes. Eduardo Molena, auditor líder nas normas ISO 9001, ISO 14001, ISO 45001e ISO 37001, afirma que um selo atesta o compromisso da empresa e, consequentemente, pode valorizar sua imagem e agregar mais valor ao seu produto. Devido à competitividade do mercado, muitos consumidores valorizam a certificação na hora da compra.

“As certificações indicam que a empresa adotou um padrão de comportamento, a partir da adoção, por exemplo, de uma linguagem simples, objetiva e direta sobre questões de atendimento ao cliente”, exemplifica Molena, acrescentando que empresas da construção civil geralmente optam pelo ISO 9001 e pelo ISO 14001.

Ele ressalta que os selos de qualidade abrem portas, uma vez que o mercado passa a olhar a empresa com outros olhos. As certificações, conforme o auditor, tornaram-se exigências contratuais em muitos casos, bem como para a participação em licitações estatais.

“No entanto, uma empresa pode perder uma certificação caso não cumpra com as exigências contratuais com a certificadora, não realizando, por exemplo, as auditorias determinadas no contrato ou não corrigindo possíveis desvios apontados dentro dos prazos estipulados”, explica Eduardo Molena.

No Maranhão, empresas da área da construção civil como a Granorte conquistaram selos importantes.

“Nós temos o ISO 9001 e o ISO 14001, ambos conquistados em 2018. O processo começou a ser implantado no final de 2016, com o treinamento das equipes, adequação de procedimentos operacionais e métricas de controle, sob supervisão de uma coordenadora. Em 2018, contratamos uma consultoria especializada para conclusão e revisão do processo. Em novembro daquele mesmo ano, recebemos as certificações”, informa a superintendente técnica de produção da Granorte, Ana Paula Vieira.

Conforme Ana Paula Vieira, as certificações tornaram a Granorte mais competitiva no mercado e aumentaram a visibilidade da empresa, que passou a figurar como modelo na área de exploração, beneficiamento e comercialização de material britado. Agora, estuda a implementação das certificações ISO 45001, voltada para a área de segurança, ISO 37301 (complience), ISO 37001(antissuborno) e ISO 17025 (laboratório).

De acordo com Marynalda Ferreira, coordenadora administrativa da Granorte, a empresa é, atualmente, a segunda pedreira certificada nas duas normas no Brasil (ISO 9001 e ISO 14001), o que é motivo de orgulho para seus colaboradores. O ISO 14001, por exemplo, diz respeito às normas do meio ambiente e os princípios que uma empresa deve ter para operar um sistema de gestão ambiental. As ações são tomadas com o objetivo de reduzir os impactos no meio ambiente, a partir da adoção de uma postura sustentável.

No caso de setores de edificação, por exemplo, essa norma deve estabelecer demandas de desenvolvimento sustentável nas obras já terminadas e as que estejam em processo de construção. Dessa forma, é pensado formas de diminuir o uso dos recursos naturais em todo o processo de edificação.

“Implantar o sistema de gestão integrado na Granorte não foi tarefa fácil. No entanto, conquistar o certificado foi muito gratificante e importante. O primeiro passo foi a criação dos procedimentos internos. Depois, implementar esses procedimentos internos e gerenciá-los, iniciando um novo modelo de gestão e mudança na rotina. Com a conquista das certificações ISO 9001 e 14001, a empresa deu um grande passo. Hoje, tudo é disseminado de maneira mais clara, principalmente o foco no cliente e compromisso com a preservação ambiental”, frisa Marynalda Ferreira.

Selo verde

Em sendo um dos setores mais importantes para a economia do país, a construção civil busca se aperfeiçoar e trabalhar de forma mais eficaz e com maior qualidade. Assim, é cada vez maior a procura pelo selo verde nessa área. O objetivo é atestar se um empreendimento segue os preceitos de sustentabilidade.

O cenário atual aponta para a união dos interesses econômicos e ambientais e, por isso, também cresce a procura pela certificação. Enquanto os custos operacionais de construção são maiores, a valorização na revenda do imóvel também cresce. Assim, todos saem ganhando: a construtora, o usuário e o meio ambiente.

O selo verde é uma certificação que destaca a responsabilidade ambiental das empresas em executar suas atividades com o menor impacto para o meio ambiente. As empresas que possuem esse selo adotam as melhores técnicas construtivas para o meio ambiente e para a redução do consumo dos recursos naturais.

Em cada estado brasileiro, o Instituto do Meio Ambiente analisa o atendimento aos critérios e concede a certificação. Mas o selo também pode ser concedido por outros órgãos governamentais, como Ministério de Minas e Energia, ou, ainda, por organismos internacionais.

Não há apenas um selo verde. Trata-se da denominação para as diversas certificações existentes que atestam a responsabilidade ambiental das empresas do setor da construção civil.

O que são certificados?

São documentos, emitidos por entidades específicas, preferencialmente as publicamente reconhecidas, que atestam determinado produto, serviço, atividade ou sistema que está sendo produzido, fornecido, implantado ou mantido de acordo com os requisitos de um padrão específico. Esse padrão pode ser setorial, nacional, regional ou internacional.

Por exemplo, uma determinada empresa receberá do organismo avaliador o certificado ISSO 9001apenas se, após o processo de verificação, o organismo apresentar evidências objetivas de que o Sistema de Gestão da Qualidade implementado pela empresa está em conformidade com todos os requisitos da norma NBR ISO 9001.

Certificações de qualidade ganham cada vez mais importância no mercado. Read More »

Rolar para cima