concreto

Obras de infraestrutura são esperança de menos problemas em períodos chuvosos na capital maranhense

Alagamentos e transtornos causados por chuvas em diversos bairros têm sido problemas recorrentes em São Luís. A cada gestão, o poder público executa forças-tarefas voltadas para serviços de melhoria da infraestrutura, que nem sempre dão o resultado esperado. No entanto, o esforço é grande para mudar a realidade e evitar uma série de desdobramentos negativos.

Recentemente, a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos de São Luís deu início a mais de 250 obras simultâneas com foco na resolução de problemas históricos causados por precipitações.

Mais de 40 obras de drenagem profunda começaram a ser realizadas em diversas áreas críticas. É o caso de bairros como Jambeiro, Vila Embratel, Santa Clara, Vila América, Vila Sapinho, Cidade Olímpica, Coroadinho, Vila dos Frades do Coroadinho e Avenida Lourenço Vieira da Silva, entre muitas outras localidades.

“Nossa intenção é encerrar problemas crônicos de alagamentos, implementando intervenções em áreas historicamente afetadas. A construção de toda essa infraestrutura desempenhará um papel essencial na prevenção de alagamentos, dando segurança aos moradores desses bairros em períodos chuvosos”, ressalta o prefeito de São Luís, Eduardo Braide.

Ao resolver alagamentos recorrentes em determinadas áreas, segundo o titular da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos, David Col Debella, as ações implementadas não apenas melhoram imediatamente a qualidade de vida dos habitantes, mas, também, estabelecem uma base sólida para o desenvolvimento urbano diante das mudanças climáticas.

“Estamos implementando não apenas soluções pontuais, mas construindo uma cidade mais preparada para os desafios climáticos que o futuro pode nos apresentar”, pontua Col Debella.

Na região que conecta os bairros Santa Bárbara e Cidade Olímpica, por exemplo, destaca-se o avanço na implementação da drenagem profunda ao longo dos quase 2 km da Rua da Secretaria, no bairro Santa Clara. A via desempenha uma função crucial ao conectar vários bairros da Zona Rural que historicamente enfrentam muitos problemas de alagamento.

Pavimentação de ruas

 

Todas as obras de drenagem são finalizadas com implantação de nova pavimentação. O programa ‘Asfalto Novo’, criado em 2021, no primeiro ano da atual gestão municipal, já concretizou a pavimentação de mais de 600 km em mais de 230 vias e 37 bairros. Esse esforço incluiu ruas e localidades que nunca foram asfaltadas, especialmente na Zona Rural.

Em conjunto com as intervenções de drenagem, o solo passa por um preparo que otimiza a aplicação do asfalto. Esse enfoque integrado não apenas aprimora a infraestrutura viária, mas contribui diretamente na longevidade dos serviços.

Os moradores compartilharam sua alegria e alívio ao verem as máquinas em ação, na esperança de que a realidade mude. Raimundo Pereira, 71, foi um dos primeiros moradores a chegar no Residencial Nestor. O aposentado, que já mora lá há mais de 20 anos, ressalta o período de espera dos moradores e de alguns dos desafios enfrentados.

“Sou um dos fundadores do bairro e a gente estava lutando há muitos anos por essas melhorias. Aqui, os carros de lotação não querem entrar, mas, agora, com a chegada do asfalto, esperamos que tudo melhore”, frisa Raimundo Pereira.

Luciana Felisberto, que também mora no Residencial Nestor, há 19 anos, e ocupa o cargo de presidente do Instituto Projeção Para Mulheres (IPM), um projeto que promove diálogos sobre garantia de direitos, políticas sociais e combate ao feminicídio entre as mulheres da comunidade.

“Esperamos ansiosamente por este momento. Ver as máquinas aqui é a realização de um sonho, estamos vivenciando algo que parecia impossível e que hoje é possível graças ao prefeito, e nós só temos que agradecer”, diz Luciana Felisberto.

Obras de infraestrutura são esperança de menos problemas em períodos chuvosos na capital maranhense Read More »

Escolha do agregado é essencial para a qualidade da obra

Eles são de suma importância para o setor da construção civil. Esses materiais granulares com dimensões e propriedades adequadas para a elaboração de concreto e argamassa são provenientes da mineração e sua granulometria é definida pelo processo de britagem. Na verdade, são as substâncias minerais mais consumidas no Brasil e no mundo.

O termo deriva do fato da areia e da brita serem utilizados para fabricação de produtos artificiais resistentes associados ao cimento para fabricação de concreto e ao betume para produção de asfalto. Areia, saibro, cascalho, rocha britada e reciclados são alguns exemplos. Eles podem ser utilizados na construção de habitações populares, edificações residenciais, comerciais, industriais, em obras públicas, serviços de infraestrutura, pavimentação e manutenção de ruas e estradas, entre outros.

Comparando-se com os outros setores da mineração, o de agregados tem características bem típicas, como grandes volumes de produção, beneficiamento simples e baixo preço unitário, havendo sempre a necessidade de proximidade entre a fonte produtora e o local de consumo.

Segundo Hellayne Gomes Farias, encarregada do Laboratório de Concreto da Megamix, que atua nesse mercado há 12 anos, a qualidade do material é algo decisivo para evitar patologias ou colapsos na estrutura.

“Nós sempre levamos em consideração a qualidade do insumo, atentando para o baixo material pulverulento, uma vez que o aumento desse material no concreto traz problemas em relação ao alto consumo de água e cimento e, consequentemente, referentes a calor de hidratação, que provoca anomalias no concreto”, frisa.

Segundo José Carlos Salgueiro, diretor da Granorte, empresa especializada na produção de material britado para construção, optar por um agregado de valor barato (composto por britas que podem ser de diferentes granulometrias) apenas por economia e não se atentar à sua qualidade pode gerar um custo mais alto na hora da compra do cimento.

“O cliente pode comprar agregados em locais que não seguem os padrões de qualidade e misturá-los. Logo, quando ele for realizar o concreto, possivelmente terá problema com relação a sua resistência”, afirma.

Há uma série de agregados que servem para diferentes tipos de funções. Eles se dividem, primariamente, em duas categorias: miúdos e graúdos. Os agregados miúdos (areia) são utilizados para a fabricação de argamassas para reboco, contrapiso, na fabricação de argamassas colantes e também nos concretos. Já os graúdos, brita 0 e brita 1, são utilizados para a fabricação dos concretos.

Quando se fala em agregados para concreto, os principais são brita 1, brita 0, pedriscos e areia. Todo concreto necessita de areia. Já as britas podem ser utilizadas em conjunto para concretos convencionais, tipo blocos de fundação, estruturas (pilares e vigas). Isoladamente, é comum utilizar a brita 0 em concretos para estacas moldadas in loco (do tipo hélice contínua) e em paredes de baixa espessura.

Além de melhorar o desempenho do concreto, os agregados podem proporcionar economia, uma vez que sua compacidade (baixo teor de vazios) depende da curva granulométrica e a composição dos agregados no traço, fazendo com que o consumo de cimento seja baixo. Consequentemente, gera também uma economia, pois o cimento é o insumo mais caro na formulação de concreto.

 

Escolha do agregado é essencial para a qualidade da obra Read More »

Rolar para cima