Bacabeira

Vale confirma acordo com Tesla para fornecimento de níquel para baterias

A vice-presidente executiva de Metais Básicos da Vale, Deshnee Naidoo, confirmou, recentemente, que a empresa assinou contrato de longo prazo com a Tesla Inc. para fornecimento de níquel Classe 1 nos Estados Unidos a partir de suas operações no Canadá.

“Nós temos o prazer de ter a Tesla, líder em produção de veículos elétricos, entre nossos clientes. Esse acordo reflete um compromisso compartilhado com sustentabilidade e mostra muito claramente que somos o fornecedor preferencial para produtos de níquel de baixa emissão de carbono e alta pureza, essenciais para baterias de longo alcance”, disse  Deshnee Naidoo.

O acordo está em linha com a estratégia da Vale de ampliar a exposição à indústria de veículos elétricos, alavancando sua baixa pegada de carbono e posição de liderança no mercado como maior produtor de níquel acabado da América do Norte. O objetivo é atingir de 30% a 40% das vendas de níquel Classe 1 para a indústria de veículos elétricos em rápido crescimento.

As operações da Vale no Canadá produzem alguns dos produtos de níquel de menor emissão de carbono do mundo. Em 2020, os rounds da refinaria de Long Harbour em Newfoundland & Labrador tiveram uma pegada de carbono verificada de 4,4 toneladas de CO2 equivalente por tonelada de níquel, enquanto as pelotas e pó da refinaria de níquel de Copper Cliff, em Ontário, tiveram uma pegada verificada de 7,3 toneladas equivalentes.

O diretor-presidente da Tesla, Elon Musk, está em campanha para verticalizar a cadeia logística da montadora, tendo controle de todos os aspectos da produção. A companhia já opera, em conjunto com a Panasonic, uma fábrica de baterias para carros elétricos no stado americano de Nevada.

As sanções dos países ocidentais contra a Rússia, que produz 17% do níquel mundial, metal essencial na fabricação das baterias, fez o preço da commodity disparar, desde o último dia 24 de fevereiro, data de início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Ladrilhos hidráulicos estão em alta e demanda aumenta em São Luís

A demanda por ladrilhos hidráulicos está aumentando na capital maranhense. A informação é dos empresários Rafael Novaes e Larissa Borçoi, proprietários da Ladrilhos Brasil (@ladrilhosbrasil), que iniciou suas atividades no Maranhão em 2021. Esses revestimentos, segundo eles, imprimem charme e, não por acaso, sua escolha é capaz de definir o protagonismo e o visual de cada espaço. As pequenas placas de cerâmica, mármore, pedra, porcelana, argila e metal podem ser encontradas em variados formatos e são utilizadas para constituir uma superfície.

“Os ladrilhos hidráulicos remontam mosaicos bizantinos, sendo utilizados para decorar pisos e paredes como forma de expressar a história do lugar. São populares no Brasil desde o século XIX, onde o segredo da técnica foi transmitido aos imigrantes residentes no Brasil. Cada peça é produzida de forma 100% artesanal. Além disso, são produtos sustentáveis”, explica Rafael Novaes, informando que a Ladrilhos Brasil, com sede no Araçagi, atende o mercado brasileiro, principalmente as regiões Norte e Nordeste.

Em São Luís, segundo Larissa Borçoi, o uso desse tipo de material está em alta principalmente para a remontagem de projetos e obras civis. “A restauração de patrimônios arquitônicos é uma demanda que cresce gradativamente em cidades históricas como São Luís do Maranhão”, frisa ela, acrescentando que a empresa trabalha com modelos lisos, decorados, antiderrapantes e tátil, podendo ser hexagonais ou quadrados.

Os ladrilhos podem ser de cerâmica, barro cozido ou de cimento, empregados no revestimento de paredes ou de pavimentos. Um conjunto deles, lado a lado, sem espaços vazios entre eles, é chamado de mosaico. Se a ideia é usar em áreas molhadas, como lavanderias, cozinhas e banheiros, é preciso aplicar um produto impermeabilizante, como hidro óleo repelente ou resina de proteção, formando uma película que impeça o contato e a passagem de água.

Com as suas cores e estampas, os ladrilhos são ótimos aliados quando a ideia é trazer mais contraste e vida aos ambientes. Se a decoração é moderna, com móveis em linha reta e poucos detalhes, é possível criar um ponto focal com os ladrilhos, tanto em uma superfície inteira quanto em um espaço demarcado.

Esses revestimentos ainda combinam perfeitamente com decorações rústicas e vintage, sendo excelentes para áreas de lazer, espaços gourmet e churrasqueiras, além de cozinhas, banheiros e lavabos. Por conta da grande variedade de estampas e cores, é fácil combiná-los com inúmeras decorações. Afinal, sempre se conseguirá encontrar uma opção que utilize as tonalidades da paleta do ambiente, garantindo o clima desejado.

 

História

A primeira vez que se teve notícia do ladrilho foi em 1857, quando ele surgiu como uma alternativa ao mármore e às outras pedras usadas nas construções. O produto foi apresentado na Exposição Universal de 1867, em Paris, pela empresa Garret, Rivet i Cia, como uma forma de cerâmica que dispensava o cozimento e usava um sofisticado sistema de prensas.

Granorte S/A é a nova patrocinadora do Moto Club

Pioneira no Maranhão na área de exploração, beneficiamento e comercialização de material britado para construção, a Granorte S/A é a mais nova patrocinadora do Moto Club, time que entra em uma nova fase dentro da zona de classificação do Grupo B do Campeonato Estadual. A ideia do novo presidente, Yglésio Moisés, é promover uma reestruturação geral do clube, associando-se, também, às grandes marcas.

Segundo Yglésio Moisés, a Granorte S/A é mais uma das empresas que acreditaram no projeto, entrando como parceira por meio da Lei Estadual de Incentivo ao Esporte para fortalecer as categorias de base.

“No caso, iniciaremos com o time sub-19 do Moto Club, que, claro, permitirá ao clube uma possibilidade de revelar novos jogadores, fazer uma complementação de elenco para competições mais longas, principalmente como a Série D do Campeonato Brasileiro. Portanto, esse apoio da Granorte S/A é fundamental para um Moto Clube cada vez mais forte”, disse o presidente.

Para o coordenador do setor de Marketing da Granorte S/A, publicitário Pedro Salgueiro, apoiar o esporte maranhense é fundamental. “É um reforço para um time que busca ascender e tem grandes chances a partir dessa fase, inaugurada com a nova gestão, comandada por Yglésio Moisés, que está buscando melhorar as condições do grupo, incentivando os jogadores e promovendo uma reestruturação administrativa completa. Nós, da Granorte S/A, também temos esse pensamento de que é preciso crescer cada vez mais, primando pela qualidade daquilo que fazemos”, finalizou Pedro Salgueiro.

De acordo com Pedro Salgueiro, a Granorte S/A está no mercado desde 1972, há 50 anos, e zela continuamente pela melhoria de seus serviços e produtos, os quais passam por um rigoroso controle de qualidade. A empresa, aliás, é detentora dos selos de Qualidade, ISO 9001, e Meio Ambiente, ISO 14001, sendo a única no Brasil nessa área a conquistar as duas certificações, alem de ser a maior pedreira do Maranhão . “Nós estamos sempre investindo em tecnologia, máquinas e equipamentos”, ressalta.

Prestes a iniciar a disputa do Campeonato Brasileiro da Série D, o Papão do Norte está sob os auspícios do técnico Júlio César Nunes, em substituição a Carlos Ferro, que pediu demissão após o empate contra o Pinheiro, por 1×1. Atualmente na segunda colocação do Grupo B, o Moto tem como destaque o atacante Dagson, artilheiro da temporada. O time, aliás, conseguiu chegar à final do primeiro turno do Campeonato Maranhense.

Granorte explica etapas do processo de britagem

Existente em diferentes tipos, a brita é utilizada como agregado para construção em geral, o que mostra como ela é importante. É exatamente para extrair pedaços grandes de rocha e transformá-las nessa brita, posteriormente utilizada como agregado, que existe o processo de britagem, posto em prática com total segurança e cuidado na Granorte S/A, no município de Bacabeira (MA). Cada etapa segue as mais rigorosas normas e procedimentos.

            Segundo o gerente de produção Jonathan Patrick de Barros Aleixo, tudo começa com a limpeza do terreno, ou seja, a retirada da camada de solo e argila sobre a rocha. Para esse trabalho, são utilizados escavadeiras e caminhões. Depois, é feita a marcação da área a ser desmontada.

            Em seguida, o terreno é perfurado para que sejam colocados explosivos em trechos estratégicos definidos anteriormente. Uma equipe técnica do Exército fiscaliza os explosivos utilizados no desmonte. Os níveis de ruído e vibração devem estar de acordo as normas estabelecidas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente. A partir daí, é realizado o desmonte da rocha.

            Depois dessa etapa, o material é transportado para as máquinas de britagem, que reduzem o tamanho das pedras. O processo começa pela britagem primária, que reduz o material de 90 centímetros a 35 centímetros. Na britagem secundária, as pedras são reduzidas a até 70 milímetros. Depois, começa a terceira fase, quando o material é reduzido a até 2 ou 3 milímetros. Depois daí, o material segue para as peneiras de classificação. A brita é classifica em pó, 0, 1, 2 e 3, lastro ferroviário e demais matérias para base e sub-base.

Decapagem

– Nesse processo é efetuada a limpeza do terreno para remoção da camada de solo e argila sobre a rocha, ou seja, material impróprio para a britagem.

Desmonte da rocha

– Por meio de explosivos colocados em trechos onde foram feitas as perfurações

Transporte do material para as máquinas de britagem

– O carregamento do material detonado é feito com escavadeiras e caminhões que transportam até a área de britagem primária.

Britagem

Primária

– O material é descarregado e lançado para dentro do britador, onde é triturado.

Secundária

– Nessa fase, o material proveniente da etapa primária é lançado para dentro de outro britador, que reduz ainda mais as dimensões das pedras.

Terciária

O produto é reduzido a até 95%.

Peneiramento, classificação e lavagem

– O material proveniente da britagem secundária é submetido a processos de peneiramento, em peneiras vibratórias inclinadas. Nessas estruturas estão instalados bicos injetores que aspergem água sobre o material em processo de peneiramento com o objetivo de retirar o excesso de poeira.

Granorte investe em máquinas, equipamentos e novos produtos para aumentar produtividade

Com produção anual de mais de 1 milhão e 200 mil toneladas, a Granorte, empresa do ramo de exploração, beneficiamento e comercialização de material britado para construção, deu início a um processo de investimento para melhorar sua produtividade ainda esse ano, incluindo a aquisição de maquinário, equipamentos e softwares.

A empresa com indústria no município de Bacabeira (MA) adquiriu, por exemplo, novas escavadeiras, carregadeiras e caminhões basculantes. Os investimentos estão sendo realizados nas duas plantas de britagem, uma vez que a intenção é aumentar a capacidade de produção anual para 1 milhão e 800 mil toneladas.

“Além disso, estamos investindo em novos produtos para agregar ao nosso portfólio, como areia industrial, que aumenta a eficiência operacional, o que nos possibilita entregar um produto ainda melhor ao cliente final”, afirma o diretor David Ferro Costa.

David Ferro explica que o propósito é, também, ampliar a participação de mercado. Além disso, a Granorte está investindo em ensacados, devido ao crescimento de condomínios com regras de trânsito de material.

A empresa atende, principalmente, os setores de infraestrutura e construção, estando presente desde as linhas férreas e grandes obras, até nas pequenas obras residenciais. De 2018 para cá, segundo o diretor, experimentou crescimento aproximado de 20% ao ano.

“É que 2018 foi um ano problemático para a economia e essa recuperação foi expressiva diante do contexto brasileiro. É fruto da otimização de ativos, redução de custos e melhora de preços”, frisou David.

Sustentabilidade

A Granorte tem reforçado seu compromisso com a sustentabilidade. Por essa razão, conquistou as certificações ISO 9001, referente à qualidade, e a ISO 14001, que diz respeito ao meio ambiente.

“São as duas maiores conquistas dos últimos anos da empresa e confirmam a importância que a satisfação do cliente e a sustentabilidade ambiental têm para nós. Ao longo dos últimos anos, foi intenso o trabalho de conscientização para a mudança de mentalidade dos colaboradores, clientes e fornecedores, com o intuito de engajar a todos e dando um bom exemplo para a sociedade”, salienta o diretor.

Trata-se da única pedreira maranhense que possui duas plantas de britagem, o que torna possível atender demandas de diferentes produtos, garantindo a qualidade ao cliente final. É a pioneira na região a atuar com laboratório próprio. Além disso, é pioneira, também, no emprego de duas balanças rodoviárias para garantir agilidade no atendimento, sempre em menos de 25 minutos.

Atualmente, a empresa emprega mais de 100 funcionários diretos além de vários outros indiretos. Desses, mais de 70% são oriundos da região de Bacabeira e Rosário. “É um orgulho muito grande para a Granorte poder contratar e capacitar colaboradores da região onde está instalada, contribuindo para seu desenvolvimento social e econômico. Importante ressaltar que mais de 50% dos colaboradores administrativos são mulheres. Isso é fruto de uma evolução de percepção da participação delas em um mercado de tão difícil acesso como é o da mineração no Brasil”, finaliza David Ferro.

Auditor Eduardo Molena diz que que os selos de qualidade abrem portas, uma vez que o mercado passa a olhar a empresa com outros olhos

Certificações de qualidade ganham cada vez mais importância no mercado.

Ressaltar o compromisso da empresa com a qualidade de seus produtos, serviços e com o desenvolvimento profissional de seus colaboradores é o propósito do selo de qualidade, que passou a fazer a diferença aos olhos dos consumidores nos últimos anos. São diversos os tipos e cada um foca em determinada área de produção. Cada selo de controle possui normas e metodologias próprias para avaliação.

Segundo levantamento do Sistema B, a demanda por certificações aumentou 23% globalmente ano passado. Elas espalham-se por mais de 70 países e atuam em diversas frentes. Eduardo Molena, auditor líder nas normas ISO 9001, ISO 14001, ISO 45001e ISO 37001, afirma que um selo atesta o compromisso da empresa e, consequentemente, pode valorizar sua imagem e agregar mais valor ao seu produto. Devido à competitividade do mercado, muitos consumidores valorizam a certificação na hora da compra.

“As certificações indicam que a empresa adotou um padrão de comportamento, a partir da adoção, por exemplo, de uma linguagem simples, objetiva e direta sobre questões de atendimento ao cliente”, exemplifica Molena, acrescentando que empresas da construção civil geralmente optam pelo ISO 9001 e pelo ISO 14001.

Ele ressalta que os selos de qualidade abrem portas, uma vez que o mercado passa a olhar a empresa com outros olhos. As certificações, conforme o auditor, tornaram-se exigências contratuais em muitos casos, bem como para a participação em licitações estatais.

“No entanto, uma empresa pode perder uma certificação caso não cumpra com as exigências contratuais com a certificadora, não realizando, por exemplo, as auditorias determinadas no contrato ou não corrigindo possíveis desvios apontados dentro dos prazos estipulados”, explica Eduardo Molena.

No Maranhão, empresas da área da construção civil como a Granorte conquistaram selos importantes.

“Nós temos o ISO 9001 e o ISO 14001, ambos conquistados em 2018. O processo começou a ser implantado no final de 2016, com o treinamento das equipes, adequação de procedimentos operacionais e métricas de controle, sob supervisão de uma coordenadora. Em 2018, contratamos uma consultoria especializada para conclusão e revisão do processo. Em novembro daquele mesmo ano, recebemos as certificações”, informa a superintendente técnica de produção da Granorte, Ana Paula Vieira.

Conforme Ana Paula Vieira, as certificações tornaram a Granorte mais competitiva no mercado e aumentaram a visibilidade da empresa, que passou a figurar como modelo na área de exploração, beneficiamento e comercialização de material britado. Agora, estuda a implementação das certificações ISO 45001, voltada para a área de segurança, ISO 37301 (complience), ISO 37001(antissuborno) e ISO 17025 (laboratório).

De acordo com Marynalda Ferreira, coordenadora administrativa da Granorte, a empresa é, atualmente, a segunda pedreira certificada nas duas normas no Brasil (ISO 9001 e ISO 14001), o que é motivo de orgulho para seus colaboradores. O ISO 14001, por exemplo, diz respeito às normas do meio ambiente e os princípios que uma empresa deve ter para operar um sistema de gestão ambiental. As ações são tomadas com o objetivo de reduzir os impactos no meio ambiente, a partir da adoção de uma postura sustentável.

No caso de setores de edificação, por exemplo, essa norma deve estabelecer demandas de desenvolvimento sustentável nas obras já terminadas e as que estejam em processo de construção. Dessa forma, é pensado formas de diminuir o uso dos recursos naturais em todo o processo de edificação.

“Implantar o sistema de gestão integrado na Granorte não foi tarefa fácil. No entanto, conquistar o certificado foi muito gratificante e importante. O primeiro passo foi a criação dos procedimentos internos. Depois, implementar esses procedimentos internos e gerenciá-los, iniciando um novo modelo de gestão e mudança na rotina. Com a conquista das certificações ISO 9001 e 14001, a empresa deu um grande passo. Hoje, tudo é disseminado de maneira mais clara, principalmente o foco no cliente e compromisso com a preservação ambiental”, frisa Marynalda Ferreira.

Selo verde

Em sendo um dos setores mais importantes para a economia do país, a construção civil busca se aperfeiçoar e trabalhar de forma mais eficaz e com maior qualidade. Assim, é cada vez maior a procura pelo selo verde nessa área. O objetivo é atestar se um empreendimento segue os preceitos de sustentabilidade.

O cenário atual aponta para a união dos interesses econômicos e ambientais e, por isso, também cresce a procura pela certificação. Enquanto os custos operacionais de construção são maiores, a valorização na revenda do imóvel também cresce. Assim, todos saem ganhando: a construtora, o usuário e o meio ambiente.

O selo verde é uma certificação que destaca a responsabilidade ambiental das empresas em executar suas atividades com o menor impacto para o meio ambiente. As empresas que possuem esse selo adotam as melhores técnicas construtivas para o meio ambiente e para a redução do consumo dos recursos naturais.

Em cada estado brasileiro, o Instituto do Meio Ambiente analisa o atendimento aos critérios e concede a certificação. Mas o selo também pode ser concedido por outros órgãos governamentais, como Ministério de Minas e Energia, ou, ainda, por organismos internacionais.

Não há apenas um selo verde. Trata-se da denominação para as diversas certificações existentes que atestam a responsabilidade ambiental das empresas do setor da construção civil.

O que são certificados?

São documentos, emitidos por entidades específicas, preferencialmente as publicamente reconhecidas, que atestam determinado produto, serviço, atividade ou sistema que está sendo produzido, fornecido, implantado ou mantido de acordo com os requisitos de um padrão específico. Esse padrão pode ser setorial, nacional, regional ou internacional.

Por exemplo, uma determinada empresa receberá do organismo avaliador o certificado ISSO 9001apenas se, após o processo de verificação, o organismo apresentar evidências objetivas de que o Sistema de Gestão da Qualidade implementado pela empresa está em conformidade com todos os requisitos da norma NBR ISO 9001.

Rolar para cima